Carregando...

8 lugares para viajar no Brasil que você precisa conhecer

Já disse uma vez o poeta que em sua terra havia palmeiras, onde cantava o sabiá. E que as aves de lá, não cantavam como nesse lugar. Completa ainda dizendo que nesse lugar o céu tem mais estrelas, as várzeas mais flores, os bosques mais vidas e os amores, esses nem se falam, sempre com mais amores.

O poeta em questão é Gonçalves Dias, em sua “Canção do Exílio”, e o lugar é o Brasil. Pensando nisso, fizemos um compilado de lugares para viajar no Brasil que você precisa conhecer. Vamos lá?

Sobre os destinos desse Brasilzão

Viajar é tão inato quanto comer ou dormir. Só é necessário ter uma inspiração de algum destino para já começar o burburinho dentro da cabeça para fazer brotar as malas nas mãos e os pés na estrada. Mas, espere aí, você já conhece o Brasil?

Um país continental e tão plural – em que se reza a lenda ser abençoado – consegue oferecer tantos lugares diversificados que a sua vã filosofia irá até duvidar. Aqui tem natureza, tem história, tem cultura, tem grandes centros, tem montanha, tem água de mar com o combo perfeito de sombra e água fresca, além de muita fé.

Siga por esse caminho e mova-se para a sua essência!

1. Jalapão – Tocantins

Pode até parecer que é no meio do nada, ainda mais com o apelido de deserto das águas, mas o Jalapão é um abre aspas em quesito natureza. E, que natureza, meus amigos!

O céu azul contrasta com o laranja das imensas dunas, apenas uma pequena parte do que se tem que encontrar por ali. Cachoeiras, riachos, animais silvestres – o cerrado em sua total exuberância.

Há, sobretudo, um lugar em especial e muito intrigante. Na verdade, são alguns: os fervedouros. São poços de águas cristalinas em que ninguém afunda. O mestre Guimarães Rosa disse que “o mundo é mágico” e o Jalapão é a prova que a natureza é feita de magia.

2. São Paulo – São Paulo

São Paulo é a maior cidade da América do Sul, e, como tal, é praticamente um monstro com seus 1500 km² e  mais de 12 milhões de habitantes.

Pode até assustar no primeiro contato devido à sua imensidão de prédios e exercito de carros, porém ainda há amor em essepê –  que vira e mexe, dá as caras quando você percebe o quanto a cidade nada tem a ver com nenhuma outra do mundo.

É única, é complexa, é convidativa, é a prova que os contrastes podem coabitar o mesmo espaço. Tanto o passado quanto o futuro interagem em meio às suas construções, fazendo cool a  deselegância discreta de suas meninas e poesia concreta das suas esquinas famosas.

Todos têm um amor platônico por SP, por seus grafites, seus viadutos, seus cantinhos escondidos, não tem como negar. São 110 museus, 113 parques, restaurantes nem se fala, bairros idem, centros culturais, shows, espetáculos, festas e o típico cafezinho, pastel de feira ou pão com mortadela do Mercadão. A Paulicéia é um doce monstro que fascina.

3. Ouro Preto – Minas Gerais

Chamar Minas Gerais não é à toa. De lá, saíram toneladas e mais toneladas de metais e pedras preciosas para Portugal e sonhadores em busca de riquezas. Ouro Preto nasceu dessa empreitada, lá em meados do século 17 e que hoje é a conexão com o passado.

Dizem que, por lá, ninguém entra sozinho. Sempre haverá alguma memória acompanhando por suas ladeiras, acendendo uma vela em uma igreja ou pulando o seu carnaval. É a eterna contradição expressada em sua arquitetura barroca: o claro e o escuro, o antigo e o novo, o sacro e o profano, a história e o futuro.

Vale a pena se perder por suas ruas, provar a típica comida mineira e conhecer as sua natureza, porque não apenas de ouro vive a cidade. Com certeza, você irá tomar um banho de cachoeira e sentir saudades das Minas Gerais!

4. Jericoacoara – Ceará

O Nordeste é sempre o sonho de quem procura por uma boa praia, mas há nessa região lugares como Jericoacoara que irão transformar o seu conceito de praia. Nem toda praia é igual, mas como Jericoacoara não há nenhuma outra. Mar verde, areia fofa e as redes a beira-mar para passar horas curtindo o sol, praticamente um oásis da rotina.

E, imagine só! Até duas décadas atrás não havia estradas de acesso e tão pouco eletricidade, era apenas uma vila de pescadores que guardava toda essa beleza do mundo. Pois bem, o tempo passou e a estrutura para receber os turistas cresceu juntamente com a demanda de viajantes, mas ainda permanece a essência rústica e a simplicidade de viver bem. Na leveza das horas preguiçosas das suas férias.

Durante o dia, o sol mostra porque é o astro rei e a natureza mãe de todas as coisas, entretanto é à noite que a chinela arrasta ao som da zabumba até o sol nascer novamente. Existe uma vida interessante que vai além do estereótipo da cidade pequena e pacata. Uma viagem que vale por mil.

5. Bom Jesus da Lapa – Bahia

O Velho Chico banha a cidade e traz consigo as bênçãos de uma cidade cravada na fé. Lá, ocorre a segunda maior festa religiosa do Brasil, ganhando o título da capital baiana da fé. No entanto, o clima místico é dado pelo complexo de grutas que forma o Santuário de Bom Jesus da Lapa.

A história da gruta como santuário começou há 300 anos quando um português artista e ouvires prestou serviços para um palácio, mas, ao invés de receber pelo seu trabalho, foi preso como escravo.

Depois de solto, resolveu viver como eremita e eis que descobriu as grutas em que hoje funciona o complexo do santuário. Ali, levou a imagem de Jesus crucificado e da Nossa Senhora da Soledade e passou a dar assistência aos doentes e necessitados da região.

Com o tempo, as velas acesas começaram a atrair garimpeiros e devotos. Com a chegada do monge, a cidade começou a se desenvolver ao redor de um imponente maciço de calcário de 90 metros recortado por galerias e grutas. A gruta do Bom Jesus possui 50 metros, 15 de largura e 7 de altura, enquanto a da Soledade possui mais de mil metros quadrados.

6. Brasília – Distrito Federal

Brasília tem uma voz diferente que a escutada na Hora do Brasil todas às noites. Descolar a cidade da política é praticamente impossível, afinal a sua concepção foi pensada justamente para esse fim: capital da nação.

Uma cidade planejada com os ideias de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa de transformar o ambiente pelo uso harmônico dos ângulos retos e das curvas. Uma proposta que acompanhou a proposta do governo JK de progresso na famosa frase de 50 anos em 5. O concreto em formas não convencionais a faz a capital do design. É literalmente um avião pousado sobre o cerrado. O Planalto Central é a surpresa de quem é nato de lá, de quem vai conquistar seu legado sob o sol ou passar um fim de semana.

Um lugar de poder: Praça dos Três Poderes, Palácio do Planalto, Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal, Palácio Itamaraty, Catedral Metropolitana, Memorial JK são alguns pontos turísticos para se conhecer. O Parque da Cidade é maior que o Central Park, o Museu Nacional praticamente uma paisagem de ficção científica e o agito sempre garantido. Brasília é a capital do rock, bebê!  E a chance de aproveitar a cidade sem esquinas, porque lugar como esse não há!

7. Chapada dos Guimarães – Mato Grosso

Partindo de Cuiabá, a chegada até a Chapada dos Guimarães é fácil e isso a torna ainda mais impressionante. Tão perto de um centro urbano se encontra um Parque Nacional com a Gruta da Lagoa Azul, a Caverna Aroe Jari, Cachoeira Véu da Noiva, Morro de São Jerônimo, Vale do Rio Claro.

Há ainda a Cidade de Pedra, construída pela força do tempo nas formações rochosas nas quais deixam qualquer olhar deslumbrado. O melhor de tudo que você vivencia a natureza na forma da contemplação ou na aventura, com a prática de esportes radicais.

Já pensou em estar acima dos paredões que se espalham por mais de 150 km e se banhar em alguma cachoeira ou em várias cachoeiras? Sim, é possível! O lugar é esplêndido e guarda uma estrutura que acolhe ao visitante e ainda preserva a vida selvagem!  

8. Atins e Canto de Atins – Maranhão

Todo lugar popular tem seu lado B. Não seria diferente para os Lençóis Maranhenses, com seu lado alternativo batizado de Atins e Canto de Atins. Ainda é desconhecido, rústico e pé na areia. Recomenda-se um passeio por essa região a partir de Barrerinhas para se render aos seus encantos de paisagem.

É um combo que ninguém põe defeito: rio, dunas, lagoas e praia. Isso tudo associado à prática de kitesurf. As cores do azul-esverdeadas do mar e da areia branca fica com mais intensas com a revoada de Guarás. Dizem que o pôr do sol é indescritível, assim como o famoso camarão. Um lugar praticamente escondido que está pertinho da Rota das Emoções, Jericoacoara e  Delta do Parnaíba.

Não é associado? Acesse nosso site e entre em SEJA ASSOCIADO! Comece agora mesmo as suas próximas férias.

Deixe um comentário