Blog RDC Férias
Carregando...
''
algodal-rota-das-praias

A dois passos do paraíso! Conheça Maiandeua, mas pode chamar de Ilha do Algodoal

Praias, mangues, lagos de água doce, dunas, igarapés. Esta é a “infraestrutura” de Maiandeua, que na língua tupi significa “mãe terra”. A ilha está localizada no município de Maracanã, na região do Salgado, nordeste do Pará, a 181 km de Belém e 40 minutos de barco. O apelido “Algodoal” vem do nome da maior das quatro vilas da ilha, batizada assim pelos pescadores por causa do algodão de seda, planta nativa, cujas sementes com filetes brancos flutuam ao sabor do vento, lembrando o algodão. As outras três vilas são Fortalezinha, Camboinha e Mocooca.

Mas a ilha é conhecida mesmo por suas praias que misturam cenários oceânicos de sol e mar do Atlântico com canais, dunas e manguezais; pelos furos da sua geografia que a separam do continente; pelos canais de marés que separam suas vilas, cobrem e descobrem areias e porções de manguezais; lagoas que surgem e partem de seis em seis horas.

Algodoal-2

Os nativos ainda pescam como seus antepassados, em canoas, jangadas coloridas ou armando labirintos feitos de galhos para cercar os peixes; ainda moram em choupanas de barro e casas de madeira. Algumas moradas são construídas nas areias, com redes estendidas no alto de toras a mais de um metro do chão, para proteger das águas na maré alta. Ainda fazem caldeiradas, fritam e assam em fogueiras armadas nas areias da praia, em qualquer lugar, perto dos manguezais – maravilhosos berçários naturais de peixes, camarões, mexilhões, caranguejos, ostras e do exótico turu.

Para chegar até Algodoal é preciso ir de barco. Uma vez lá, somente é possível explorá-la a pé ou a bordo de uma carroça puxada a cavalo. A água é tirada de poços artesianos e somente em 2005 a energia elétrica foi ligada por lá.

12-Post-DoisPassos-travessia-algodoal

O som do maracatu divide com o reggae a preferência musical. E a culinária local é marcada pelo “avuado”, o jeito simples de assar o peixe na brasa, num buraco aberto na areia; e na degustação do turu, molusco que se alimenta do tronco de árvores dos manguezais, fino como um dedo, gelatinoso como uma minhoca, que os ribeirinhos comem ali mesmo, cru, ou preparado como sopa: o caldo de turu. Uma iguaria.

15-Post-DoisPassos-Algodoal

Por tudo isso, Algodoal é, literalmente, um paraíso natural, área de proteção ambiental, desde 1990. E é perfeita para aqueles que amam a festa da natureza.

Como chegar: Para fazer a travessia até Algodoal é necessário pegar um barco no Porto de Marudá, a 181 km de Belém. O trajeto de barco para a ilha demora cerca de 40 minutos e há cinco saídas diárias, entre 9h e 17h. De carro, é preciso deixar no estacionamento ao lado do Porto. Da rodoviária de Belém também partem ônibus da companhia Rápido Excelsior para Marudá em cinco horários entre 6 h e 16h30min.

Dica: Escolha uma rota diferente e prepare-se para uma experiência inesquecível durante a travessia. Siga pela Belém/Maracanã para pegar o barco no município de Maracanã, rumo à ilha do Algodoal. A travessia vale uma panorâmica: dura 3 horas, é mais tranquila, podem ser vistos botos, aves, como garças e os vermelhos guarás, além de passar em frente às vilas Fortalezinha e Mocooca e pelo belo canal Furo da Mocooca.

Sob o sol de Algodoal

São 19 km² de ilha. Um local, literalmente, pé na areia. Sem cerimônias. Mas não se esqueça de calçar os tênis para cruzar os mangues e fazer trilhas. Algodoal oferece praias extensas – como a da Princesa, com 14 km, trilhas ecológicas, passeios de canoa e de veleiro, pesca esportiva e, àqueles que desejam uma pitada de adrenalina, carro a vela para correr na praia. O windcar é um veículo com três rodas e movido à vela, como no windsurfe, e chega a atingir 70 km/h. Um meio de transporte não poluente que pode ser usado para passeios pelas praias da ilha. Um esporte e uma atração turística ecologicamente corretos.

01-Post-DoisPassos-Algodoal

Dica: Atenção especial para o sobe e desce das marés antes de sair para visitar as praias ou fazer algum passeio.

Quando ir: De janeiro a março é inverno na ilha: muita chuva e águas turvas. De setembro a dezembro, é o verão: muito sol e águas esverdeadas. No mês de julho é altíssima temporada para os visitantes brasileiros. De agosto a setembro é temporada dos turistas estrangeiros: muito sol e pouca gente na ilha.

.

Praia da Princesa

Vá de carroça ou caminhando até a praia mais badalada da ilha. Com 14 km de extensão, a Praia da Princesa conta com infraestrutura de bares e restaurantes, especialmente na alta temporada. Duas trilhas com cerca de 30 minutos de percurso, entre mangues ou dunas, levam a várias lagoas de água doce. A Lagoa da Princesa é especialmente bela, com suas águas escuras, cor de coca cola, que contrastam com as areias brancas e finas que emolduram a lagoa. Cajueiros e ajurus completam a paisagem.

10-Post-DoisPassos-praia-da-princesa

Dica: Julho é a melhor época para ver a Lagoa da Princesa bem cheia. A partir de outubro as lagoas começam a secar.
A temperatura das águas é, em média, de 22ºC. Para a trilha, não se esqueça de levar na mochila alguns lanches prontos, frutas, barras de cereal, alimentos fáceis de carregar como suco em caixinha e, é claro, garrafinhas de água. Roupas leves e um par de tênis para cruzar os mangues.

13-Post-DoisPassos-Algodoal

Praia da Pedra Chorona

Vale a pena conhecer um pouco do folclore local e entender por que os antigos nativos da ilha acreditavam que as pedras dessa praia choravam. Na verdade, trata-se de uma nascente. O percurso até à praia dura cerca de 40 minutos, se feito de barco a motor, ou uma hora, quando de carroça.

Ilha do Marco com praia para surfistas

A praia da Marieta, perfeita para pegar ondas mais radicais, fica na ilha do Marco, local onde funcionou uma fábrica de vidros e um engenho de cachaça. Um guia local leva você até lá de barco, pois é preciso atravessar o furo da Mocooca. A viagem de ida, de cerca de duas horas, passa em frente à Vila Fortalezinha, seguindo para o oceano Atlântico em direção à praia. A praia de Marieta é extensa, 26 quilômetros. Além do marzão, também é possível ver botos, garças e guarás pintando de vermelho a paisagem.

09-Post-DoisPassos-praia-da-marieta

Dica: Vila Fortalezinha é conhecida pela prática de pesca esportiva e um ótimo point para um almoço rústico na praia, à base de peixes frescos assados na brasa, o chamado “avuado”.

06-Post-DoisPassos-Fortalezinha-1

À noite em Algodoal

Os ritmos de Algodoal são como suas marés que, influenciadas pelos rios amazônicos, sobem e descem rapidamente em poucas horas. Assim como instintivamente você entra na roda do carimbó, a dança típica do litoral paraense, de repente, sobe o som do reggae, com a mesma força e descontração como se a sua raiz estivesse ali. O melhor é que na ilha a festa acontece nos bares ou na beira da praia, como um luau que vai até o dia amanhecer.

02-Post-DoisPassos-bar-da-pedra

Dica: A Praia da Princesa é um dos locais mais tradicionais da ilha para o happy hour, com direito a vista incrível do por do sol e baladas que invadem a madrugada.

Um pequeno palco montado na Praia da Princesa garante que o som de reggae seja curtido free, democraticamente, nas areias de Algodoal. Na vila de Algodoal, os bares Boiador e Lua Cheia oferecem música ao vivo, com shows de carimbó e bandas de reggae. O Bar da Pedra é o mais tradicional.

Despeça-se da ilha admirando o por do sol

Na viagem de volta, você pode escolher o último horário de saída do barco com destino a Marubá para ver o Sol se por nas águas do Atlântico ao som do motor do popopô, como é conhecido o barco a motor que faz a travessia.

03-Post-DoisPassos-Canoa-2

Programe suas férias para conhecer o Costa Atlântica do Pará. Confira a opção de hospedagem RDC em Algodoal e em hotéis parceiros em Belém, ponto de partida para conhecer esses paraísos, e em cidades como Salinópolis e Bragança.

Deixe um comentário