Carregando...
''

Belezas de ferro e arte

Visitas a antigos mercados municipais podem se transformar em deliciosos passeios de arte, cultura e história

Talvez nenhum outro tipo de lugar retrate melhor a alma de uma cidade, seu momento histórico e econômico, sua dinâmica e o estilo de vida de seus cidadãos do que os mercados municipais. No Brasil, mercados com mais de 100 anos ainda estão em pleno funcionamento, mantêm seu estilo original e foram tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Os mercados públicos de Florença, Berlim, Londres e de Paris inspiraram projetos de mercados municipais construídos nos séculos 19 e 20 no Brasil. Um período marcado pela Revolução Industrial, com inovações como o uso do aço e também por surtos epidêmicos que levaram à discussão de temas ligados ao comércio de alimentos, ao saneamento, além da reorganização do espaço urbano. E foi a praticidade do sistema modular de construção do mercado francês, com estruturas de ferro pré-fabricadas, aliada ao período áureo da borracha e do café no Brasil e ao charme da Belle Époque, que impulsionaram a construção de icônicos mercados pelo país.

Para você criar um roteiro de viagem diferente, cheio aromas, sabores e arte, elegemos alguns mercados de ferro que tiveram influência europeia e também construíram a sua própria história.

Mercado Público de São José, Recife – Pernambuco

beleza-de-ferro-e-arte

Inspirado no Grenelle, em Paris, o Mercado Público de São José foi construído em 1875 com estrutura pré-fabricada trazida da França para o Brasil em 1872. Possui dois pavilhões retangulares interligados por uma rua coberta. Não deixe de observar as extremidades do telhado, em forma de animais, características que marcam o estilo art nouveau do prédio.

Mercado de Ferro, Belém – Pará

beleza-de-ferro-e-arte-01

O complexo Ver-O-Peso representa bem a tendência dos Halles Centrales de Paris, referência de mercados cobertos no século 19, que utilizavam estrutura de ferro, vãos, luminosidade e ventilação natural.  O Mercado de Ferro ou Mercado de Peixe foi erguido em 1899, no período áureo do ciclo da borracha na região. Tem sua estrutura de ferro trazida da Inglaterra e posteriormente montada em Belém. Possui quatro torres, uma em cada canto do edifício. A reforma do Mercado de Carne, em 1908, permite uma visão do pátio central. Confira a obra, subindo a escada helicoidal de ferro fundido, no melhor estilo art nouveau.

Mercado Adolpho Lisboa – Manaus

beleza-de-ferro-e-arte-02

O período rico do ciclo borracha na Amazônia contribuiu para a construção de um dos mais belos mercados representantes da arquitetura de ferro, tombado pelo IPHAN, em 1987. O Mercado Municipal de Manaus, inaugurado em 1883, tem seu galpão principal e três pavilhões construídos em estrutura de ferro pela companhia inglesa Francisc Norton, Engineers, de Liverpool, Inglaterra; venezianas em todo o seu entorno, oito entradas de acesso, frontões com ornamentos de ferro e vidros coloridos. O mercado é famoso pelas barracas de peixes de água doce, hortaliças, verduras e produtos típicos da região.

Mercado dos Pinhões – Fortaleza – Ceará

beleza-de-ferro-e-arte-03

A estrutura ferro, pintada na cor verde, é a marca registrada do primeiro mercado público de Fortaleza, o Mercado da Carne, inaugurado em 1897. Sua estrutura pré-fabricada contou com o trabalho das mesmas oficinas que construíram a Torre Eiffel, Guillot Pelletier. Em 1938 o mercado foi desmontado. Parte da sua estrutura metálica foi utilizada na construção do Mercado das Artes ou Mercado dos Pinhões, local que reúne música, arte e o comércio da cidade. A outra parte desmontada da estrutura foi transformada no Mercado Aerolândia, com boxes especializados em gastronomia e artesanato.

Vale a pena curtir o caráter genuíno dos mercados municipais, saboreando uma autêntica comida regional, conhecendo seu artesanato, os peixes e frutas característicos do lugar e também analisando sua arquitetura, entendendo melhor seus arcos, pátios, torres, azulejos, vitrais, cada cantinho dele. Um jeito bem bacana de conhecer a cidade.

Texto Publicado na Revista Férias e Lazer – Edição 54

Deixe um comentário