Carregando...

Carnaval 2019: quantos cabem em você?

Há quem jure de pés juntos que o carnaval nasceu em terras brasiles, afinal de contas não há outra festa igual à que acontece por aqui! Embora o DNA brasileiro já venha com vestígios dessa festividade, a sua origem remete há tempos longínquos, através das influências de gregos e romanos, há mais de 3 mil anos. Com o tempo, a sua importância se estabeleceu para celebrar o fim do inverno e comemorar o início das plantações. Aí está o porquê das fases da lua estarem tão entrelaçada com a festa.

Seguindo o balançar dos anos e séculos, a festa popular foi incorporada à religião, tornando-se a mais antiga festa profana vinculada à Igreja. Quando se fala em algo profano, deve-se levar em consideração a formação da palavra: pro que significa “diante de” e fanum com significado de “templo ou lugar sagrado”. Logo, a brincadeira de carnaval ocorria em frente à Igreja e com muita alegria. Com o nome de canis levale, que significa “retirar as carnes”, anunciava o tempo de jejum estipulada pela Quaresma. Controlavam o prato e os prazeres mundanos. Mas, não na Terça Gorda, em que as ruas eram tomadas pelo elemento que une quaisquer manifestações, o riso.

Esse riso coletivo se opõe a cara sisuda e o tom sério do sermão pregado na Igreja, até mesmo da vida difícil. Um momento para esquecer tudo que se pesava e brincar com a leveza de ser o que quiser, com fantasia ou com máscara.

Aqui, no Brasil, o carnaval foi trazido juntamente com os portugueses, transformando-se e incorporando-se a identidade brasileira como se fosse nativa. Em qualquer parte, amigou-se no frevo, no maracatu, afoxé ou no samba, juntou-se aos muitos brasis e construiu um país onde cabem muitos carnavais. E, em você, quantos cabem?

Confira alguns lugares em que o carnaval 2019 é garantido e encontre a festa que mais cabe em você

O Rio de Janeiro, Salvador e Recife são cidades já consagradas com seu carnaval. Com toda certeza, a festa é grande, repleta de muita alegria e de multidões. Para manter esse clima de carnaval de rua, da passarela do samba, de bloquinho com essa essência cultural e fugir dos altos preços e do lugar-comum, que tal experimentar outros tipos de folias, em outros quatro Brasis? De Norte a Sul, já se escuta os tambores, tamborins e cuícas para chamar toda fantasia da alegria. O mais legal é que não precisa ir para muito longe, não. As ruas são o palco e você é o convidado para pular até a Quarta-feira de Cinzas. Prontos para se surpreender com o seu próximo destino?

São Luís – Maranhão

Existe uma unidade fundamental das manifestações carnavalescas nas diferentes regiões e cidades brasileira, que, com certeza, é a alegria exaltada no meio das ruas em um momento de esquecer o cotidiano.

São Luís não vive apenas de reggae, não senhor. De longe, já é possível escutar o tambor de criola e a volta do carnaval genuinamente popular.  Com os anos, os bloquinhos, cordões e corsos foram deixados de lado. Porém, há algum tempo uma vontade de retomar as tradições tem ganhado território e é disso que se trata o carnaval maranhense.

O tambor de criola é um símbolo desse trajeto, dedicado a lembrança das danças de negros da época das senzalas, como também a casinha de palha construída em um caminhão que remetem a ideia de caboclo, cercada de dançarinas. Trata-se de uma alegoria viva em que mulheres vão cozinhando nas ruas e distribuindo comida a todos os foliões. Porque saco vazio não para em pé!

Belo Horizonte

Bêaga era anteriormente um túmulo em época de carnaval. Mas, em 2009, o bloco Tico Tico Serra Copa desceu do morro até o centro e abriu alas para um dos melhores carnavais do Brasil.

Começou tímido mas com muita ânsia de ocupar as ruas com risos e música. Deu tanto certo que a região centro-sul/leste se tornou o ponto de encontro dos foliões ávidos pelos bloquinhos em 5 dias interruptos de fantasias, confetes e glitter.

A cada ano, mais um bloco novo ou aumento de outros. Tem o pré, o durante e o pós carnaval. Tem o Bloco do Síndico, tem o Bloco da Bicicletinha (sim, todos sob duas rodas) e outros mil blocos que carregam em si diversas bandeiras. Afinal, o carnaval serve para todos. Assim, vão se somando às manifestações populares à própria cultura, levando um motivo a mais de estar em Belô para aproveitar essa festa.

Manaus

Não é preciso esperar o Festival de Parintins em junho para foliar por Manaus. Em março, o carnaval estará entre nós; em março, o carnaval estará em Manaus. E tem de tudo um pouco, como em outros pontos do Brasil. Tem muitos bloquinhos, tem desfile de escola de samba, concursos de fantasias e outras representações típicas desse período. Mas, o que marca mesmo o carnaval na floresta é o Carnaboi.

Depois de 3 anos fora de cena, o ano de 2018 foi escolhido como o retorno dessa manifestação. Claro que não é qualquer uma, pois é uma mescla entre o folclore amazonense com as toadas bois-bumbás Caprichoso, Garantido, Brilhante, Corre-corre e Garanhão. Para assistir, basta estar munido com seu tururi e pronto. Para quem não sabe, tururi é a versão amazonense do abadá da Bahia.

São Paulo

A terra da garoa também tem muito samba no pé, e difere do deserto que suas ruas ficavam nessa época. Antes, o bumbo e a cuíca ficavam por conta das escolas de samba, que são um grande espetáculo, munidos com os carros alegóricos monstruosos, as famosas baterias e samba enredo que não deixa ninguém parado. Tradicionalmente, saem na sexta-feira e no sábado e dividem-se em Grupo Especial e Grupo de Acesso. Mas, eis que o paradigma inverteu e hoje o que se tem é o oposto da comparação de um deserto e além do som dos tamborins.

Estamos falando de multidões de todos os tipos espalhados pela cidade a fim de provarem que o paulistano também tem um espirito de brincadeira e leveza. Rasgam-se as roupas de trabalho e transvestem-se com a sua melhor fantasia. As ruas começaram a ser ocupadas e em cada cantinho apareceu um conglomerado de pessoas. Logo, proporções surreais na casa de milhões já são esperadas na avenida 23 de Maio, rua 13 de maio, Praça da República, Anhangabaú, Largo da Batata ou no Baixo Augusta.

Os blocos são a atração principal, que reúnem uma sorte de tipos. Famílias, crianças, jovens, LGBT, quem gosta de rock, funk, sertanejo e de pagode noventista – e por aí vai. Afinal das contas, a Paulicéia Desvairada é o encontro de todos os anônimos brasileiros e do mundo. De tal forma, o carnaval é plural e abraça a todos os sons. Começa antes da sexta de carnaval, com muita gente na rua, e vai até depois da velha e triste quarta-feira de cinzas, mesclando novamente à lógica da cidade que teoricamente nunca para.

Há blocos em parques, em praças e em bairros. Geralmente, os mais populares ficam pelo Centro, Pinheiros, Vila Madalena e Bixiga, porém a cada ano vem aumentando o que a imaginação permitir: bloco Agrada gregos; Tarado Ni Você; Casa Comigo; Ritaleena; Bicho Maluco Beleza; Acadêmicos do Baixo Augusta; Beleza Rara; Sereanos; Esfarrapado; Dona Yayá e outros muitos.

Se o apogeu do carnaval é o samba, o Bixiga é a sua casa. Já é um local em que as manifestações culturais são a essência do bairro, com essa áurea boemia e de muita resistência.  Casinhas antigas, ruas com tantas histórias e bares que escutaram vários chorinhos e sambas.

A cidade de São Paulo é imensa e é um pouco impossível conferir todos os blocos, até mesmo os principais em tão pouco tempo. Por essa razão, é importante se planejar e montar um itinerário. Como no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, a graça é migrar de bloco em bloco, muitas vezes você acaba esbarrando em algum que nem estava em sua lista.

Outro conselho é ir de metrô, principalmente nos que partem de pontos como a Praça da República. Leve somente o imprescindível do imprescindível, como o Bilhete Único e pouco dinheiro. O dia é para brincar!

Dicas importantes para todos os tipos de carnavais

Em primeiro lugar, em qualquer bloco que siga ou cidade que eleja, saiba que a garrafinha de água será a sua companheira de folia. Hidratar é essencial e ainda previne vários outros males.

Hidratados, atentem-se a sua segurança. Não ande sozinho em lugares perigosos, esteja com pouco dinheiro e fique de olho em seu celular. A solução é adquirir aquelas doleiras ou levar o básico do básico, como um documento, algum dinheiro e o celular. E, falando em celular, para ficar entrosado na programação e não perder nenhuma informação, vale baixar um aplicativo folião, como o Blocosderua.com. De resto, lembre-se do bom senso e, o principal, respeito acima de tudo!

Depois de tantas opções, qual é o carnaval que mais cabe em você? Conta para a gente! E, não se esqueça, a RDC Férias possui um portfólio de hotéis, em várias localidades, incluindo nas principais cidades do carnaval. Acesse o nosso Site na aba Destinos e Hotéis e aproveite as nossas opções de busca e filtros para navegar e encontrar a opção perfeita para a sua viagem.


Lembre-se, o seu Clube RDC Férias está com você em todos os momentos, durante a viagem e também nos preparativos para a próxima, então não deixe de conhecer e aproveitar todos os benefícios que só o associado RDC Férias tem.

Ainda não é associado? Faça agora seu Plano! Ou confira mais informações sobre a RDC Férias acessando nossos materiais:
– Ebook – Como escolher o Clube de Férias ideal para você
– Infográfico: Adquirindo e aproveitando ao máximo a RDC Férias 

Cleonice spessatto kothe

Como fAco pra reserva?

29 de janeiro de 2019 | Responder
    Redação RDC

    Oi, Cleonice. Para solicitar sua reserva, entre em contato com a nossa Central de Reservas. Nosso atendimento acontece de 2ª a 6ª, das 8h às 20h30, nos telefones (11) 2172-0250/4096-0250. Se preferir, conte com nossas opções de solicitação em nosso site. Na opção ‘Solicite sua Reserva’, disponível em sua área restrita, você deve indicar 3 opções de destinos/hotéis diferentes, para aumentar as chances de confirmação. Recebendo sua solicitação, nossa Central de Reservas entrará em contato. Permanecemos à disposição. Obrigado.

    30 de janeiro de 2019 | Responder

Deixe um comentário