Blog RDC Férias
Carregando...
''
Img-da-capa-Maceió--AL

Maceió – Alagoas

Da constante subida e descida das marés, da abundância de águas, nasceu Maceió. Do tupi “maçayó”, que significa “aquele que tapa o alagadiço”. O batizado indígena remete à geografia da cidade que se desenvolveu sobre uma  língua de terra ou restinga que, com a ajuda do mar, fechou o estuário do Rio Mundaú, formando a lagoa e desviando a foz do rio para o Pontal. Não é, portanto, à toa que tudo gira em torno das águas por lá – do lazer ao trabalho e à cultura. Maceió é cidade-porto.

A paisagem faz revelações: da vegetação nativa, os coqueirais estão presentes nas praias, praças e ruas. Dos rios, os mangues, lagos e lagoas. Do belíssimo mar, azul-esverdeado, as praias de pôr-do-sol arrebatador, arrecifes que formam as piscinas naturais, convidando ao mergulho em águas cristalinas e tranquilas.  Tudo está lá, como um paraíso protegido pela vegetação nativa e por bancos de corais que guardam seu litoral .

Lagoa-Mundaú

Dos mirantes, descubra Maceió do centro histórico até o mar

A cidade de Maceió localiza-se entre a Lagoa Mundaú e o Oceano Atlântico e se apresenta em três planos distintos, que variam de 2 a 50 metros de elevação em relação ao nível do mar. Nesse cenário, os mirantes fazem o papel de escadas que dão acesso à vista de paisagens exuberantes da região, ajudando muito o turista a descobrir os segredos da cidade.

No primeiro plano, a baixada litorânea, com altitude variando entre 2 e 4 metros. No segundo, o baixo planalto sedimentar costeiro, cortado na base do tabuleiro, com altitude variando entre 8 e 10 metros acima do nível do mar. No terceiro, o tabuleiro – o antigo planalto da Jacutinga – onde encontramos os bairros do Farol, Gruta, Pitanguinha, Pinheiros e Tabuleiro do Martins.

Do mirante do bairro da Chã de Bebedouro, na avenida Osvaldo Cruz, estrada de Santa Amélia, é possível  observar grande parte da Lagoa Mundaú. Ela também  pode ser vista parcialmente em três outros mirantes no bairro do Farol: Santa Terezinha, Ambrósio Lira e o do Cortiço. De lá, avista-se todo o litoral de Maceió, até o Pontal da Barra, que fecha o estuário, formando a lagoa. Do mirante Kátia Assunção, na rua Coronel Paranhos, também avista-se quase todo o litoral da cidade, o início da Praia de Cruz das Almas, Jatiúca, Ponta Verde, Pajuçara até a Praia da Avenida, onde está localizado o Porto de Maceió. O Porto também pode ser visto do Mirante de São Gonçalo, na Praça Rosalvo Ribeiro, perto da igreja. Mas os mistérios do mar são desvendados do Mirante da Praia da Sereia. Ele mostra o mar de Pratagy, com sua piscina natural, rodeada de arrecifes, onde está localizada a estátua da sereia e ainda parte do litoral norte de Maceió.

Pajuçara

As praias de Maceió, bravas ou calmas

Urbana, a praia de Jatiúca, localizada a aproximadamente 4,5 km ao norte do centro da cidade, oferece infraestrutura turística de hotéis, restaurantes, barracas de praia com chuveiros, pista de cooper e de ciclismo, equipamentos de ginástica, shopping center e outros serviços. No mar agitado de Jatiúca são realizados com frequência campeonatos de surfe. A praia de Ponta Verde é considerada uma das mais frequentadas de  Maceió. É lá que se localiza o Alagoas Iate Clube, mas o encanto do lugar vem do verde dos coqueirais que insistem em correr mar adentro, equilibrando-se numa ponta de terra, nas piscinas naturais formadas pelos bancos de corais. A badalação fica por conta das barracas com  músicas ao vivo, dos bares repletos de juventude. Vale a pena conferir o surfe no mar azul da praia do Trapiche, os coqueirais e o encontro da Lagoa Mundaú com o mar no Pontal da Barra.

Ponta-Verde

A praia dos corsários franceses 

Localizada a 18 km de Maceió, já município de Marechal Deodoro, uma das praias mais frequentadas da região: a Praia do Francês, com enseada natural, vegetação de restinga preservada e excelentes ondas para o surf. Já foi conhecida como Praia dos Franceses e, originariamente, como Porto dos Franceses, graças a sua estratégica enseada natural que serviu de porto para navios de piratas franceses que, na época colonial, faziam exploração de Pau-Brasil na Mata Atlântica. Hoje, a a enseada é palco para mergulhos, para passeios de barco, de banana-boat, de ultraleve e para a prática de  esportes náuticos. De lá, é possível ir caminhando até Barra de São Miguel.

A alegria e a tranquilidade de Barra de São Miguel 

Como se não bastassem os mergulhos nas águas cristalinas da Praia Bonita e Porto de Vaca, o surfe na Praia do Meio e os passeios de caiaque, jangada e de escuna, Barra de São Miguel, localizada a 35 km de Maceió, no litoral sul, ainda é famosa por seu carnaval. Por conta disso tudo, a cidade é considerada um dos balneários mais belos de Alagoas e um dos destinos preferidos da juventude alagoana.

De paisagens de águas doces e salgadas, vale a pena navegar pelo Rio São Miguel e conhecer suas ilhas e as paisagens formadas pelos manguezais; presenciar o encontro do Rio Niquim com o mar, provar dos lendários poderes medicinais das suas águas, sentindo a proteção da vegetação nativa de coqueirais. Das águas salgadas, a generosidade dos arrecifes que criam verdadeira barreira para se mergulhar tranquilamente na transparência das águas em busca de um cenário marinho deslumbrante. Uma praia badalada? Pegue um saveiro em uma das marinas da cidade e parta em direção à praia do Gunga; depois contemple toda a beleza do pôr-do-sol da Barra, considerado único.

Que tal fazer isso tomando água de coco, provando caldinhos de maçunim e de sururu – mexilhão extraído das lagoas, ou simplesmente curtindo uma camarãozada, também no coco – comidinhas do lugar?

Maragogi, aquário natural preservado 

Munidos de snorkel e máscara de mergulho, é chegada a hora de contemplar flora e fauna marinha do litoral norte de Alagoas.
Encantador e exuberante, é conhecido como “costa dos corais”, por conta das Galés, bancos de corais localizados a 6 km da costa, a maior barreira de corais brasileiros protegida pela Área de Proteção Ambiental (APA). É nesse fascinante corredor de praias, quase todas formadas por piscinas naturais que brotam dos arrecifes nas marés baixas, que encontramos a cidade de Maragogi, a 129 km de Maceió. O acesso é por estrada, pela AL-101. Graças a sua infraestrutura hoteleira e atributos naturais, a cidade é considerada o segundo pólo turístico de Alagoas e tem seu rico ecossistema preservado através de atividades de ordenamento do turismo no uso das piscinas naturais formadas no meio do mar; de ações como a limitação do número de embarcações e de educação ambiental aos turistas.Maragogi-1

Maragogi-2

Na direção de Pernambuco, visite as praias de águas azul esverdeadas de Burgalhau, Barra Grande e Ponta do Mangue e curta a rusticidade das vilas de pescadores. Não deixe de provar o famoso bolinho de goma, sequilho à base de manteiga e leite de coco produzido no povoado de São Bento, a quatro quilômetros de Maragogi.

Alagoas de frutas e frutos do mar 

A diversificada e deliciosa culinária alagoana pode ser provada nos cardápios dos restaurantes e bares, onde os destaques são para a qualidade e variedade dos frutos do mar, como o sururu e o maçunim que podem ser apreciados de diversas formas, como em moquecas, fritadas e até como caldinhos, estes sempre servidos como entrada. Prove frito o peixe carapeba, a patinha de uçá, a agulhinha. Caranguejo, guaiamum, pitu, ostra e casquinhas de siri também são atrações gastronômicas. Das frutas tropicais: laranja, acerola, mangaba, graviola, caju, goiaba, umbu, maracujá e pinhas, saem os doces que devem ser degustados com queijo tipo coalho e os sucos que podem ser servidos também como coquetéis.

Confira em nosso site os hotéis parceiros na região e programe a sua próxima viagem 😉

* Texto publicado na Revista Férias&Lazer – Novembro 2008. Edição 37

Imagem: Shutterstock

Deixe um comentário