Carregando...
''
capa

Milão, Veneza, Florença, personalíssimas cidades da Itália.

A Itália é um dos destinos de viagem mais procurados pelos viajantes de várias partes do mundo. Basta traçar uma rota envolvendo três cidades distintas, mas geograficamente próximas, Milão Veneza e Florença, para descobrir a Itália de pontos de vista deliciosamente diferentes. São cidades capazes de despertar os sentimentos mais profundos de admiração pela forma como homem conseguiu desenvolver seu conhecimento para construir belezas sobre as águas, sobre as ruas, subindo pontes, pintando paredes e tetos, esculpindo mármores, fazendo moda, despertando nas pessoas todas as formas de atração e sentimentos, desde o prazer imediato de olhar o que é belo, até os conteúdos mais profundos para entender como tudo foi criado. A cultura é consequência natural e a história parece existir apenas para explicar como tudo aconteceu na tábua do tempo.

florença

Os Alpes separam o norte da Itália do resto da Europa e oferecem magníficos lagos azuis de degelo e também cidades como Milão, onde a natureza não é o grande cenário, o encantamento maior fica por conta das paisagens urbanas. Mais a leste, ao longo da costa, 117 pequenas ilhas separadas por canais e ligadas por pontes formam um dos mais belos cenários do mundo, Veneza. Enquanto mais a oeste, o rio Arno  nasce nos Apeninos, a 1358 metros acima do nível do mar, para atravessar toda a região da Toscana rumo ao centro da península italiana, percorrer 241 km para chegar até Florença, situada às suas margens.

Ponte-dos-Suspiros-Veneza

Apenas 3 cidades e um cenário diverso – arquitetura medieval e prédios modernos, obras renascentistas e arte contemporânea, história milenar e muito charme. Então, vale começar pela cosmopolita Milão, basicamente decorada por cenários urbanos.

Prepare-se para ver gente bem vestida, prédios modernos, restaurantes finos e construções arrebatadoras, como Duomo, a catedral gótica que começou a ser construída em 1386 e concluída apenas 400 anos depois, em 1813, sob as ordens de Napoleão Bonaparte que desejava fazer ali a sua coroação como rei da Itália. Totalmente construída em mármore de Candoglia branco-rosa, tem sua fachada erguida com 8200 blocos de mármore, 2.300 estátuas na parte externa, 1.100 no interior e 135 pináculos.

duomo-milao

No entanto, o ápice da visita é um passeio fantástico no telhado da Catedral: um elevador ou 201 degraus levam ao chamado terraço da Duomo de Milão ou Le Terrazze, a 70 metros de altura. Lá em cima, silêncio total. Além de uma vista espetacular da cidade, é possível passear entre os pináculos, estátuas de animais, gárgulas, vultos e santos e, se tiver sorte, ainda ouvir um canto gregoriano vindo do interior da catedral. Imperdível.

Dica: Em todas as igrejas da Itália não é permitido entrar usando roupas transparentes, saias curtas e com ombros à mostra. Homens devem evitar bermudas curtas e camisas regatas. Não custa nada levar na bolsa um xale. O dress code é rigoroso.

Entre a Piazza Duomo e a Piazza della Scala está a Galleria Vittorio Emanuelle II, construída entre 1865 e 1877, e cujo nome é homenagem ao primeiro rei da Itália após a reunificação. A galeria foi projetada em forma de cruz e é coberta por uma cúpula de ferro e vidro no melhor estilo Belle Époque, com diversos afrescos decorando suas paredes. Um luxo! Essa cobertura permite acesso às lojas e a conexão entre as duas praças sob qualquer condição climática, seja neve, chuva ou sol. A galeria é considerada o shopping mais antigo do mundo.

Galleria-Vittorio-Emanuelle-II

Portanto, atravesse a galeria olhando para todos os lados  e também para cima. Além da  beleza arquitetônica que alimenta a alma, tem de restaurantes badalados a deliciosos cafés na “calçada”, além de lojas de grifes famosas como Armani, Prada, Gucci e Louis Vuitton, para alimentar o ego.

Dica: À noite, a galeria iluminada é um show à parte. Que tal fazer como os milaneses nos velhos tempos, que transformavam a galeria na antessala do Teatro Alla Scalla a Milano, parando para um café antes de seguir para assistir um espetáculo lírico.

E por falar numa das mais famosas casas de ópera do mundo, mesmo que você não seja muito chegado a esse estilo de arte, o Teatro  Scalla de Milão merece um espaço no roteiro. Construído a pedido da imperatriz Maria Teresa da Áustria, no melhor estilo neoclássico, foi inaugurado em 1778 e até hoje é referência de qualidade arquitetônica e acústica para outros teatros do gênero no mundo, inclusive no Brasil. Por lá passaram compositores ilustres como Gioachino Rossini, Vincenzo Bellini, Giuseppe Verdi e Arturo Toscanini, e vozes como de Maria Callas e Luciano Pavarotti. Mas não é preciso assistir um espetáculo para conferir seu interior arrebatador.

teatro-scalla-milao

Dica: Planeje com antecedência se desejar assistir um espetáculo. Dependendo da atração, pode ser meses antes. Os tickets podem ser comprados on-line. O dress code pede blazer e gravata para os homens e vestidos curtos ou calças com blusas elegantes para as mulheres. Não é exigido traje longo, só quando especificado.

Basilica-Santa-Maria-delle-Grazie

Outra visita em Milão que vale uma programação antecipada de pelo menos três meses é para conhecer a obra de Leonardo da Vinci, a famosa “Santa Ceia” ou “Última Ceia”, o mural pintado na parede do refeitório do antigo convento na Basílica Santa Maria delle Grazie. Igreja e obra de arte foram reconhecidos pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. Todo mundo já viu alguma vez a cena dessa pintura feita entre 1495 e 1497, que representa a última ceia de Jesus Cristo entre os apóstolos. O mural mede 4,6 x 8,8 metros.

santa-ceia-daVinci

Dica: Os ingressos para ver de perto a obra-prima Santa Ceia são vendidos, única e exclusivamente, pelo site da www.vivaticket.it ou pelo telefone (+39)0292800360.  O tempo de visitação é de apenas 15 minutos e está previsto no ingresso.

Outra referência histórica, artística e cultural de Milão é o Castelo Sforzesco, construído no século XV por Francesco Sforza, Duque de Milão. O edifício abriga pinacoteca, biblioteca, livraria, museu egípcio, tapeçarias e outras coleções dos museus e galerias de arte da cidade, além de exposições itinerantes. Uma das maiores atrações do Castelo é a Pietá de Rondanini, última obra-prima de Michelangelo.

castelo-Sforzesco

Atrás do castelo, não deixe de explorar o jardim “inglês” do Parque Sempione – o segundo maior parque de Milão, onde é possível fazer piquenique, tomar sol ou simplesmente caminhar. Também oferece atrações como o Arco da Paz, o museu da Triennale, que conta a história do design italiano, e a Torre Branca, com um terraço que oferece vista para os Alpes, para a Duomo, para o castelo Sforzesco, para a porta Garibaldi e outros monumentos de Milão.

parque-sempione

Para compras, há o luxo do icônico Quadrilátero da Moda formado pelas elegantes vias della Spiga, Montenapoleone, Manzoni e Corso Venezia. E para quem não gosta ou não pode gastar muito, estenda a caminhada até a longa e vibrante Corso Buenos Aires, que oferece mais de 350 lojas de todos os tipos e para todos os bolsos.

Chegue à Veneza de trem e descubra a cidade devagar, caminhando ou a bordo de um vaporetto, que é mais em conta do que as lanchas ou as famosas gôndolas.  São 177 canais, 118 ilhas e 400 pontes que se distribuem sobre a laguna ligada ao Mar Adriático. Por isso dizem que é muito fácil se perder por Veneza. E se perder é a melhor forma de descobrir seus caminhos.

gondola-veneza

Dica: O site Pesquisador de trens da Europa oferece uma pesquisa entre as melhores empresas de trem da Itália e da Europa para as melhores opções.

Certamente o ponto central de Veneza é a imensa Piazza San Marco, principal cartão postal e a única praça da cidade. Ao seu redor estão edifícios icônicos como a Basílica de São Marco, o Campanário, a Torre do Relógio e o famoso Palácio Ducal. Portanto, rumo “ao mais belo salão da Europa”, como Napoleão Bonaparte a batizou. Construída no século 9, chegou à dimensão atual, 180 metros de comprimento por 70 metros de largura, em 1177. A praça é local de contemplação de boa arquitetura, perfeita para passear entre os conhecidos cafés com música ao vivo, como os tradicionais Quadri e Florian, de 1720.  Especialmente à noite a atmosfera da praça é mágica.  

piazza-de-san-marco

Dica: Na Piazza San Marco é proibido comer e beber, jogar lixo e alimentar os pombos. Portanto, aposte nos cafés para apreciar a paisagem que o homem construiu sobre as águas.

A história da Basílica de São Marcos começa em 828 e se estende até 1094, quando foi reinaugurada. Construída em estilo bizantino, em forma de cruz grega, apresenta ornamentos em mármore, mosaicos, ouro e bronze que a luz do sol faz brilhar. No seu interior encontram-se imagens sacras e outras estátuas, como os famosos Cavalos de São Marcos, doados à igreja em 1254.

O Campanário da Basílica é uma atração à parte. A torre do sino da Basílica de São Marcos é a construção mais alta da cidade, tem 98,6 metros de altura e fica em um canto da Praça, perto da Basílica de San Marco e do Palazzo Ducale. Da torre é possível avistar, em dias de céu limpo, os Alpes italianos, Dolomites. No século 17, Galileu Galilei utilizou a torre como observatório de astronomia. O campanário, que já existia no século 9, sofreu várias reconstruções até assumir, no século 16, a forma atual. A última reconstrução aconteceu em 1903.

palacio-ducal-veneza

A Torre do Relógio se destaca na Piazza San Marco. Inaugurada em 1499, liga a praça à Rialto, na principal rua comercial da cidade, Mercerie. O grande relógio astronômico marca a hora, dia, fase lunar e signos do zodíaco. Senão pela engenhosidade, vale a visita ao alto da torre porque permite contemplar uma vista exclusiva da Praça São Marcos, ângulos diferentes da basílica, dos palácios da cidade e dos telhados venezianos.

Bem próxima à Piazza San Marco está a Ponte dos Suspiros, que liga o Palácio Ducal ao primeiro edifício do mundo construído especialmente para servir de prisão, o Prigioni Nove. Por isso, o nome da ponte, uma referência ao “suspiro” do prisioneiro ao cruzar a ponte como o último momento de liberdade.

praça-sao-marco-veneza-2

Uma forma interessante de conhecer a história de Veneza é através de uma visita ao Palazzo Ducale ou Palazzo Doge – assim chamado por ter servido de residência dos Doges de Veneza, dirigente máximo da República de Veneza. Reconstruído em 1309, possui mosaicos na fachada em mármores rosa e branco, tons que se transformam de acordo com a luz do sol. Combina elementos arquitetônicos bizantinos, góticos e renascentistas. Em seu interior há pinturas de Tiziano, Tintoretto e Bellini.

Dica: Para economizar, não deixe de comprar o ticket que dá direito a visitar, além do Palazzo Ducale, também a Basílica de San Marco e os Museus de arte antiga da praça. O preço do combo fica mais em conta do que pagar individualmente.

De Veneza à Florença são apenas duas horas de trem. Uma forma tranquila e econômica de chegar à capital da Toscana e respirar arte e cultura caminhando pela cidade. Nascida há mais de 2 mil anos às margens do rio Arno, Florença ainda mantém no seu cenário a primeira ponte construída no século 1 d.C., a Ponte Vecchio, seu cartão postal.

Ponte-Vecchio-Florença

A cidade é o berço do Renascimento, o centro do humanismo europeu, onde viveram gênios das artes como Giotto, Boticelli e Leonardo da Vinci; e da literatura, como Dante, Petrarca e Boccaccio. Portanto, aproveite, pois a arte está no ar e em cada esquina, como a espetacular escultura Davi, de Michelangelo, que pode ser vista em 3 lugares. Uma cópia está em frente ao Palazzo Vecchio, na Piazza della Signoria. Outra, na Piazzale Michelangelo, e a escultura original em mármore de Carrara, de 5,17 metros de altura, está na Galleria dell’Accademia , mas é preciso agendar o ingresso à sala com dias de antecedência.

davi-michelangelo-florença

Se o Davi de Michelangelo levou você até o Palazzo Vecchio, então não fique apenas apreciando a sua arquitetura em estilo gótico medieval e sua torre de 94 metros de altura. Entre nessa construção de 1299, que já foi sede do governo da República Florentina, residência dos duques da Toscana até tornar-se sede da Prefeitura de Florença e da Câmara Municipal, com várias salas abertas ao público. Confira, nos diferentes andares, as obras de arte de grandes artistas da Renascença Italiana, como a escultura “o Gênio da Vitória”, de Michelangelo, afrescos nos tetos e os fabulosos apartamentos dos Medici, ricamente decorados no período da Renascença.

Entre o rio Arno e a Piazza dela Signoria está a Galeria de Uffizi, que guarda importantes pinturas renascentistas dos séculos 14 e 16, acervo da família Medici, com obras como A Anunciação, de Leonardo da Vinci, a Sagrada Família, de Michelangelo, e a sensação da coleção, o famoso Nascimento de Vênus, de Botticelli.

Outro cartão postal da cidade é a majestosa Catedral de Florença (Duomo di Firenze) Santa Maria del Fiore. Ela começou a ser construída em 1296 e abriga o Museo dell’Opera del Duomo, com obras de Donatello e de outros artistas. Destaque para a enorme cúpula projetada por Filippo Brunelleschi, vencedor do concurso de arquitetura para a construção do domo, a maior cúpula de alvenaria já construída, e cuja solução arquitetônica continua até hoje em segredo.

Duomo-di-Firenze

Sem dúvida há muito mais a ver e curtir na Lombardia, em Vêneto e na Toscana, respectivamente regiões onde estão localizadas as cidades de Milão, Veneza e Florença. Portanto, considere a flexibilidade do seu Plano de Férias.  Conte com a assessoria da RDC Viagens, a agência preferencial do Associado, e confira as opções de hospedagem nos hotéis parceiros internacionais do seu Clube na Itália, opções de passagens aéreas, aluguel de carro, seguro viagem entre outros. Prepare o seu roteiro de viagem de acordo com o seu interesse e estilo.

RDC Viagens
Segunda a sexta-feira das 8h às 19h30
Telefones: (11) 2172-0270 / 4096-0270
E-mail: agencia@rdcviagens.com.br

SALETE DE JESUS OLIVEIRA DOS SANTOS

Excelente, da uma visão e orientação ao viajante

5 de outubro de 2017 | Responder
    Redação RDC

    Agradecemos o seu comentário, Salete. Bora para a Itália? :)

    6 de outubro de 2017 | Responder

Deixe um comentário