Carregando...
''
capa

Seis formas de descobrir Belém

Belém é a porta de entrada da Amazônia e um dos destinos mais interessantes do Brasil. Localizada às margens do rio Guamá, na foz do rio Amazonas, é um destino diferente, uma cidade exótica e bela para viajantes que sabem aproveitar sua diversidade natural e cultural para criar passeios e experiências únicas.

Escolha a Belém que você gostaria de ver nas sua próxima viagem.

catedral-da-se

1 – Tem a Belém do Ver-A-História – um belo resumo do passado e do presente de Belém pode ser conferido na “Cidade Velha”, centro histórico da cidade que nasceu em 1616. Além de casarões antigos da época do Ciclo da Borracha, entre 1800 e 1900, com belíssimas fachadas de azulejos portugueses, também está o complexo “Feliz Lusitânia”, uma área revitalizada onde estão localizados os cartões postais da cidade: o belíssimo Forte do Presépio, construído no século 17, o Palacete das Onze Janelas, do século 18, emoldurada pelo Jardim de Esculturas, o Navio Corveta e um providencial deque que se estende sobre a Baía do Guajará. Também fazem parte do complexo, a Catedral da Sé, construída no século 18 e a Igreja e Colégio de Santo Alexandre, exemplar da arquitetura jesuítica, antiga sede da Companhia de Jesus que hoje abriga o Museu de Arte Sacra do Pará. É a história de Belém contada em pouco mais de um quarteirão.

2 – Tem a Belém do Ver-O-Rio. Trata-se de uma área de 5 mil metros voltada para a Baía do Guajará. Um lugar perfeito para contemplar as águas do rio que parece mar praticando esportes, curtindo shows musicais, degustando a culinária regional em barracas e bares, além de playground e de um belíssimo calçadão de pedra portuguesa para caminhadas em meio a uma paisagem exuberante.

Dica: Para vivenciar a sensação de estar em alto mar, embora pertinho do continente, vá ao PIER 47, um restaurante localizado na balsa Lady Lu, ancorada no complexo. Os viajantes adoram o cenário, a experiência gastronômica em “alto rio” que pode começar com sopa de caranguejo, seguido de peixe defumado (pirarucu) recheado com molho de pimenta. De sobremesa, taça de chocolate com castanha. De quinta a sábado tem música ao vivo.

mercado-ver-o-peso

3 – Tem a Belém do Ver-O-PesoO mercado mais famoso, diferente, e um dos mais antigos do Brasil, inaugurado em 1627 é outro lugar da Cidade Velha que resume a cultura de Belém e da região amazônica. Em 26.500m² mistura um pouco de tudo, de priprioca a surubim, de filhote a açaí. Tem peixe, carne, ervas frutas, mas cada coisa em seu lugar. A magnífica arquitetura do Mercado de Ferro ou Mercado de Peixe em estilo art nouveau, inaugurado em 1901 juntamente com o Mercado de Carnes vendem o que prometem, enquanto em áreas definidas cerca de 1000 barracas padronizadas oferecem frutas e legumes, farinhas, grãos e temperos. Há ainda uma área dedicada apenas a alimentos preparados, como o filhote frito, o arroz de jambu e os sucos de cupuaçu, açaí e bacuri.

Não deixe de conferir as barracas mais divertidas do mercado: as de ervas, extratos e chás para curar tudo, com nomes como “hei de vencer”, “dinheiro em penca”, “chega-te em mim”, “chora nos meus pés”, “faz querer quem não me quer” e outras promessas.

mangal-das-garças

4 – Tem a Belém de Ver-A-Natureza- Os locais misturam infraestrutura urbana com a exuberância da natureza amazônica. No Jardim Botânico Bosque Rodrigues Alves é possível observar cenários da floresta primária preservada, com mais de 80 mil espécies de plantas, um orquidário, um aquário e várias espécies de fauna. Outro local incrível que contém um pedaço da Amazônia é o Parque Ecológico Mangal das Garças, de cerca de 40.000 metros quadrados, criado às margens do Rio Guamá, próximo do Centro Histórico de Belém e que preserva vegetação nativa, Aningal, áreas de lazer e de estar, lagos com garças, marrecos e quelônios, além de atrações acessíveis com ingresso pago, como o viveiro, o farol e o borboletário. O espetáculo maior é de graça: caminhar no deque que leva ao mirante para uma vista espetacular da Baía do Guajará.

Dica: Uma das experiências gastronômicas mais fantásticas de Belém acontece no restaurante Manjar das Garças, localizado no Mangal ao lado do mirante. Ele é famoso por combinar ingredientes regionais em pratos criados por grandes chefs e disponibilizados no sofisticado buffet do almoço ou a la carte no jantar. O filhote assado com crosta de amêndoas, guarnecido de risoto de jambu é a melhor pedida do jantar. Sobremesa? Vá de torta de doce de leite com cupuaçu ou de pudim de queijo de cuia.

Museu-das-Gemas

5 – Tem a Belém de Ver-As-Pedras – O local perfeito é o belíssimo Museu de Gemas do Pará, com mais de quatro mil peças extraídas do solo amazônico como diamantes, ametistas, turmalinas e outras pedras de até 500 milhões de anos. Uma drusa de quartzo de 2,5 toneladas recepciona o visitante logo na entrada. O espaço guarda também o histórico arqueológico da ocupação do Pará por tribos Tapajós e Marajoaras. No local, artesanato tapajônico, muiraquitãs milenares, gemas só encontradas em território paraense e obras de arte formadas pela natureza, como um tronco fossilizado. Aprecie artistas trabalhando na Oficina de Joias e também o Laboratório Gemológico.

Dica: O Museu de Gemas faz parte do Polo Joalheiro do Pará ,criado em 2002 com o objetivo de estimular o empreendedorismo criativo e a inovação na capital paraense.

estacao-das-docas

6 – Tem a Belém do Ver-Beber-E-Comer- A Estação das Docas, três armazéns de ferro com estrutura inglesa transformados em centro de entretenimento, dão o ar cool ao espaço e representa bem a Belém de hoje. Localizado à beira do rio Guará, agrega vistas espetaculares do por do sol e da orla do antigo porto de Belém e espaços gastronômicos descolados para happy hours perfeitos. Tem fábrica de cerveja artesanal, bares, restaurantes, quiosques de doces, sorvetes, além de lojas de artigos típicos e atrações musicais. Do local partem passeios de barco pela orla do Guará.

Dica: Prove a cerveja de bacuri na cervejaria Amazon Beer. Não saia da estação sem passar pela Sorveteria Cairu e provar as especialidades da casa, as frutas do norte no palito ou massa, como açaí, cupuaçu, bacuri, araçá, bacaba, murici, mangaba, uxi e taperebá – recomendadíssimo na casca ou no copinho. Confira mais no post Sabores do Pará.

Escolha seu jeito de conhecer Belém e descubra a região amazônica com um olhar diferente. Conte com a assessoria da RDC Viagens, a agência preferencial do associado.  Confira as opções de hospedagem dos hotéis parceiros RDC em Belém e região. Explore a flexibilidade do seu Plano de Férias.

 

antonio wilson souza

Faltou a belém do ver a MÚSICA! Duas escolas de música tradicionais, três festivais de musica, um de ópera (um dos poucos no Brasil)! produção musical só menor que sampa e rio!

12 de junho de 2017 | Responder
    Redação RDC

    Olá, Antonio! Obrigado por compartilhar essa informação! Pode ficar tranquilo que nos próximos posts sobre Belém vamos acrescentar essa curiosidade! 😉

    13 de junho de 2017 | Responder

Deixe um comentário